Crioterapia Capilar

 

O que é?

Alguns quimioterápicos têm como consequência a alopecia (queda do cabelo), que se inicia 15 a 20 dias após a primeira aplicação do medicamento. A queda do cabelo é um dos efeitos adversos mais dolorosos do tratamento oncológico e preveni-la pode resultar em um aumento de autoconfiança e atitudes positivas aos pacientes, o que beneficia o enfrentamento e a luta dos pacientes contra a doença.

A Crioterapia, ou Resfriamento do Couro Cabeludo, é a aplicação terapêutica do frio no couro cabeludo durante a quimioterapia, um tratamento simples que pode prevenir a queda de cabelo secundária à terapia antineoplásica, o que resulta em uma retenção parcial ou total do cabelo.

No Centro Oncológico Devita utilizamos o Orbis Scalp Cooler, um aparelho de resfriamento de couro cabeludo importado da Inglaterra, utilizado em grandes centros oncológicos de todo o mundo. É a única tecnologia de crioterapia aprovada pela FDA (EUA), com taxas de sucesso clinicamente comprovadas.

Como funciona?

Quando se reduz a temperatura do couro cabeludo imediatamente antes, durante e após a administração da quimioterapia, há a diminuição do fluxo sanguíneo nos folículos capilares devido à vasoconstrição, com consequente diminuição da taxa de difusão da droga na membrana plasmática e redução da toxicidade da quimioterapia nas células do couro cabeludo. Isso faz com que se tenha uma retenção parcial ou total do cabelo durante o tratamento contra o câncer.

Trinta minutos antes do início da quimioterapia, uma touca de silicone permeada por um líquido que circula a 4ºC, coberta com uma segunda touca feita em neoprene macio, é colocada no paciente e conectada ao aparelho de resfriamento de couro cabeludo. O paciente ficará com a touca durante todo o tempo de infusão das drogas e 90 minutos após o término dos medicamentos. Esse tempo é essencial para que a crioterapia alcance o resultado esperado.

Há contraindicações?

O tratamento de resfriamento do couro cabeludo é contraindicado para pacientes portadores de neoplasias hematológicas, pacientes com metástases no couro cabeludo, pacientes que fizeram ou fazem radioterapia de crânio, pacientes com doenças relacionadas ao frio (aglutininas e alergias) e pessoas que desenvolveram ablação da medula óssea pela quimioterapia.

Resultados Esperados

O sucesso do resfriamento do couro cabeludo depende de muitos fatores tais como tipo e estágio do câncer, idade, tipo de cabelo, condição do cabelo e saúde geral. A queda de cabelo varia de pessoa para pessoa e a retenção de todo o cabelo não pode ser garantida.

Cuidados durante e após o tratamento

– Pentear os cabelos diariamente, com suavidade, usando um pente de dentes largos ou uma escova desembaraçadora.

– Não prender os cabelos com rabo-de-cavalo ou tranças. Se for necessário prender, utilizar prendedores macios ou laços de fitas.

– Não fazer permanente, tinturas, escovas progressivas e não utilizar géis e sprays nos cabelos.

– Não utilizar secador de cabelo, bobes aquecidos ou prancha.

– Dormir em um travesseiro macio e evitar dormir sempre no mesmo lado.

– Utilizar shampoos e condicionadores de pH neutro, sem parabenos, sem sulfatos e sem fragrância.

– Não lavar o cabelo mais do que duas vezes por semana. O cabelo deverá ser lavado antes do dia do tratamento e não deverá ser lavado nos 3 dias seguintes.

Qualquer dúvida, você poderá entrar em contato com a Enfermagem do Centro Oncológico Devita nos telefones (15) 3388 5056 e (15) 9 8135 0141.
Assista abaixo a entrevista sobre a Crioterapia Capilar com a Dra. Claudia Latorre no Programa Entre Nós da TVR em Sorocaba