Hormonioterapia

Para crescer e se disseminar, diversos tipos de câncer dependem dos hormônios produzidos pelo organismo. São tumores cujas células possuem receptores aos quais os hormônios se ligam para funcionar como fatores de crescimento, porque a ligação com os receptores dá origem a um sinal que vai ativar os genes responsáveis pela multiplicação celular. Sofrem esse tipo de interferência hormonal os tumores de mama, endométrio, ovário e próstata.

A hormonioterapia medicamentosa faz-se pela supressão ou adição de hormônios circulantes. A apresentação farmacológica, a posologia e as vias de administração dos medicamentos variam de acordo com as indicações, a idade do paciente e os esquemas terapêuticos.

Os hormônios utilizados na terapêutica do câncer, assim como os quimioterápicos antineoplásicos, atuam sistemicamente e exercem seus efeitos citotóxicos tanto sobre as células tumorais como sobre as células normais.